Logo | Ápex Odontologia

Periodontite em diabéticos

Atualizado em 29/09/2021
Tempo de leitura: 3 min.
Periodontite em diabéticos | Por Ápex Odontologia | Dentista SP Brooklin

Com certeza você já sabe que a diabetes provoca diversos problemas de saúde para quem é portador. Mas, você sabia que a doença também pode desencadear complicações para a saúde bucal? Quando ocorre o descontrole da glicemia no sangue, existem maiores chances de a periodontite se manifestar. Neste artigo, explicaremos ao certo qual é a relação entre diabetes e problemas gengivais. Continue lendo para você saber o que acontece no organismo de uma pessoa diabética, que pode causar complicações para os tecidos de sustentação dos dentes.

O que é periodontite?

Quando resíduos de alimentos se acumulam nos dentes, eles não ficam suscetíveis somente às cáries, pois a placa que se forma na linha gengival prolifera bactérias, que migram para as gengivas e os tecidos que fazem a sustentação dos dentes.

Devido à ação delas, as gengivas desenvolvem uma inflamação que, se não tratada, evolui para a periodontite. Nesse estágio, o problema além de atingir o tecido gengival, também se expande para os demais que mantêm os dentes fixos na boca.

Quando essa inflamação não é tratada, aos poucos os ossos vão se desgastando e os dentes acabam amolecendo. Em casos mais graves, a perda óssea é tão grande que pode fazer com que os dentes se soltem e caiam.

A relação entre diabetes e periodontite

A diabetes é uma doença caracterizada pela elevação da taxa de açúcar no sangue e distúrbios metabólicos, que causam dificuldades no processamento de proteínas, carboidratos e lipídios. O organismo de uma pessoa diabética também tem maior dificuldade para reagir aos processos inflamatórios e infecciosos que se manifestam. É por isso que esses indivíduos são mais suscetíveis a desenvolverem a periodontite.

Como seu sistema imunológico não consegue reagir adequadamente, além de ser mais fácil para essas complicações se instalarem, também é mais difícil fazer o seu controle. Isso depende muito de manter a taxa de glicemia dentro de um padrão saudável. Mas a relação entre a diabetes e a periodontite é classificada como bidirecional, isso significa que tanto a diabetes traz complicações para a periodontite, como a periodontite influencia na diabetes.

Por isso, os endocrinologistas-diabetólogos exigem que o paciente realize um tratamento com o periodontista antes de realizar os exames de sangue, porque não o fazendo, os exames ficam alterados.

É comprovado que quando o paciente trata a periodontite, necessita uma menor quantidade de insulina. Uma pessoa diabética, como dito, está mais suscetível para desenvolver a inflamação nos tecidos periodontais, e quando ela se instala, fica mais difícil controlar a taxa de glicose. Por isso, o ideal é evitar que as gengivas fiquem inflamadas, tomando os devidos cuidados com a higiene bucal.

Como prevenir a periodontite em diabéticos

Como você viu, as condições orgânicas de uma pessoa diabética favorecem o desenvolvimento da periodontite, mas isso não significa que esse problema não pode ser evitado. As formas de prevenção não são complicadas, mas dependem muito da cooperação do próprio indivíduo.

Para todas as pessoas, diabéticas ou não, o principal meio de prevenção da periodontite é realizando uma boa higienização bucal diariamente. É fundamental manter uma rotina regrada de escovação dos dentes, para evitar que as gengivas inflamem.

A escovação deve ser feita sempre após cada refeição, com uma escova de dentes macia e um creme dental rico em flúor. Não se pode esquecer o fio dental, que é essencial para eliminar justamente os resíduos que ficam próximos à gengiva e proliferam bactérias.

A língua também precisa ser escovada todas as vezes. Isso porque a placa bacteriana se forma sobre ela e recebe o nome de saburra lingual. Embora não estejam nos dentes, esses resíduos proliferam micro-organismos que acabam indo para outros tecidos da boca, podendo adentrar a gengiva e causar a periodontite.

E não se esqueça de que a escovação noturna é a mais importante do dia . Isso porque durante a noite o fluxo salivar é reduzido, tornando a boca um ambiente ainda mais propício para a proliferação de bactérias.

Por isso, não vá dormir sem antes fazer a higiene bucal. Além de todos esses cuidados, é fundamental fazer o acompanhamento odontológico periódico. Para o diabético, o intervalo de visitas ao dentista deve ser ainda mais curto.

Siga as recomendações do especialista, e se ele pedir retorno em menos tempo, faça isso. As consultas de rotina são essenciais para que o dentista possa observar a sua saúde bucal e realizar intervenções precocemente, para que pequenos problemas não se tornem graves.

Os cuidados com a saúde bucal são fundamentais para todas as pessoas, mas no caso das diabéticas, isso é ainda mais expressivo em função da vulnerabilidade do seu organismo. Por isso, faça sua parte em casa, mas não deixe de consultar um dentista para que ele possa lhe orientar melhor segundo as particularidades do seu caso.

Por Dra. Lícia Ney Pizzocolo Gonzalez
CRO-SP 61423. Formada pela Universidade Estadual de São Paulo – UNESP – em 1998, é pós-graduada pela UNICAMP em especialização de periodontia e pela ABCD em especialização de ortodontia. Atua na área de estética, cirurgia oral e implante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 | 17 / 05 / 19
Entenda o que é sorriso gengival, quais as formas e procedimentos para realizar o tratamento de acordo com cada pessoa. CONFIRA.
Ler Mais
 | 10 / 05 / 19
Entenda o que é Gengivoplastia, para que serve, como funciona o procedimento e quais são as causas e formas de tratamento. CONFIRA.
Ler Mais
Logo | Ápex Odontologia

Ápex Odontologia 2021 | Desenvolvido em WordPress por Surya Marketing Médico.

magnifiercross